Páginas

Mistério Maligno .


Eu estou aqui de novo fechada no meu quarto, sem nada para fazer, apenas rabiscando um pedaço de papel , tentando me distrair. Apenas pensando um pouco em tudo que me cerca .
Porque eu fico aqui , sozinha , sem ninguém comigo ? Nem minha irmã aguenta ficar no mesmo quarto que eu . S
ó meus amigos para me aturar mesmo, só os 3. Porque ninguém mais quer passar nem se quer um instante próximo a mim? Cansada de tudo e de todos , fico aqui , trancada , entediada ... Acho que vou dormir um pouco, amanhã tenho aula. Já está bem tarde e ...
Mas minha gatinha Sugar deitou na minha cama antes de mim
- Ah , oi Sugar ... sabe , fico contente que pelo menos uma de nós duas seja feliz de verdade .
Afastei um pouco a Sugar e me deitei ao seu lado , ali estava confortável , e com muito sono , mas algo me incomodava , não me deixava dormir , só não sabia o que . 
Passei a noite em claro , brincando com a Sugar de vez em quando , e pensando na minha vida também , não ficaria mais ali , trancada e entediada no meu quarto como todo dia , amanhã ia sair , só não sabia pra onde ...De repente pensei em ir na praça, depois da escola. Só precisava avisar pra minha mãe. Eu acabei dormindo , mas não lembro de ter sonhado ...
Acordei com a Sugar passando o pelo nos meus braços , mesmo morrendo de sono , levantei e fui pro banheiro , olhei pro espelho e minha aparência estava péssima . 
Ainda não tinha liçença , por isso tinha que ir a pé , passei pela mesma rua que sempre passava , achando que havia algo diferente , mas estava cansada demais para reparar em alguma coisa , então continuei meu caminho .Eu até que tinha conseguido dar uma melhorada , e ficar apresentável , para não ser confundida com um zumbi .Tive a estranha impressão de que tinha alguem me olhando , e comecei a ficar paranóica com a situação . Mas acabei deixando pra lá pois tinha acabado de encontrar a Jullie . E ficamos conversando até chegar na escola .
A Sra. Melry , nossa professora de português , não cansava de passar lição , agora tenho pilhas e pilhas de lições para fazer em casa .
Estou torcendo para conseguir terminar rápido , ainda vou sair hoje , e é tudo para segunda .
Na aula de Matemática o Sr. Dylan resolveu passar um teste surpresa , tinha uma questão mais difícil que a outra , e como não conseguia me concentrar direito , concerteza tirei um D .
No intervalo pensei por um instante em chamar meus amigos pra irem comigo no parque , mas eu tinha a sensação de que ir sozinha seria o melhor a fazer .
- Oi Alisson - A voz da Brenda me tirou dos meus pensamentos , e me pegou totalmente desprevenida .
- Ah , oi Brenda , como acha que foi na prova do Sr. Dylan ?

- Não muito bem não estudei nada
- Ai que pena ! Eu também aposto que não fui muito bem .

- O senhor Dylan também tinha que avisar antes , afinal , a matéria dele é a mais difícil , um breve aviso seria bom né ? - Estavamos agora a caminho do meu carro
- É verdade , agora eu tenho que ir , te vejo depois , até mais - Não queria que ela soubesse onde , meus amigos não podiam saber onde eu ia .
Fui até o parque , mas ali não tinha nada para fazer também ... Continuei andando até minha casa , e parei em frente aquela mesma casa que havia visto de manhã , ela realmente não existia antes , mas estava ali agora , como se já estivesse lá a anos , ela estava com uma aparência horrível , as janelas quebradas , e o portão quebrado e as paredes eram brancas , mas estavam muito sujas . O jardim por outro lado , era lindo , cheio de flores e árvores , e brinquedos espalhados pelo chão ...
E um brinquedo , em especial , me chamou a atenção . Minha boneca , Liza era como eu a chamava quando era pequena , que eu havia perdido há anos , estava lá jogada . Eu achava que pelo tempo ela estaria com alguma parte quebrada , mas estava intacta , e com a roupa que eu tinha colocado nela a 3 anos atrás . Como o portão estava quebrado e aberto , eu decidi entrar , para recuperar minha boneca .
Entrei e fui pegar ela , mas de repente , estava no chão .
Levantei e olhei pra todo lado mas não vi nada , nem ninguém
Então com medo , peguei a boneca , e sai correndo . 
Quanto mais longe ia , mais confusa eu ficava , não sei o que me assustou mais , o fato de ter achado Liza naquela casa , que parecia ter sido construída do nada , ou o fato de não me lembrar de ter deitado , ou feito algo do tipo .
Cheguei em casa e fui direto pro meu quarto , não estava com fome , e pelo jeito eu estava horrível , e não estava com vontade de explicar nada pra ninguém .
Sentei na minha cama enquanto brincava com a Sugar , tentando me lembrar do que havia acontecido , a única coisa de que me lembro , é que eu senti um vento muito forte do nada , e cai , pelo jeito , desmaiei , mas não sei quanto tempo havia ficado desacordada .
Sugar subiu em mim , e deitou-se em meu colo . Quando comecei a acariciar seu pelo branco , lembrei de ter sentido alguém mexer em meu cabelo . Preferi acreditar que tudo foi coisa da minha imaginação . Eu queria poder provar a mim mesma que isso era verdade , me obrigando a voltar naquele mesmo lugar .
Desde que cheguei não tinha tocado na Liza , havia deixado ela em cima da mesa , com medo que ela tivesse provocado aquela reação em mim .
Peguei ela , com a mão tremendo e peguei o pente que usava para pentear ela quando era pequena .
Peguei um dos lacinhos da Sugar e coloquei no cabelo dela , ela estava linda de novo , mas mesmo assim , deixei ela de lado e fui pegar comida pra Sugar .
- Já me deixou de lado ? Eu achei que gostasse de mim . - Uma voz linda e aguda , como de uma menininha me assustou , eu jurava que não tinha ninguém além de mim e a Sugar no quarto . Olhei pra trás e não vi ninguém , então continuei indo até o pote de comida da Sugar , enquanto ela chegava perto da Liza e cheirava ela .
- Então é isso mesmo , vai me ignorar ? 
Eu tremi e virei de novo , não tinha ninguém , olhei mais pra boneca e fui até ela , achei que alguém tinha colocado um gravador nela , pra me assustar ...
Não tinha nada , então devia ser da rua , ou , mais provavelmente , da minha imaginação .

Nenhum comentário:

Postar um comentário